мԾndPąℓą۷яąS - єѕ¢яιτσяα Níνєα Sαвιησ - BℓԾG Lιτєяáяισ

domingo, 13 de março de 2011

GATO PRETO


Pedro Paulo acorda atrasado para trabalhar. Em décadas essa é a primeira vez que não ouve o despertador tocar. Sonolento e contrariado sente o piso frio sob os pés e involuntariamente vem à sua mente que pisara o chão com o pé esquerdo. Enquanto escova os dentes, ri sozinho da ideia absurda de preocupar-se com isso. Resmunga contrariado: - Estou me deixando influenciar por ideias descabidas. Relembra a discussão com a namorada na noite anterior, ela ficara muito irritada com as criticas que ele fizera em tom de zombaria. Ela falava animadamente sobre sorte e azar, defendia com unhas e dentes a sua crença afirmando categoricamente que o hábito de carregar um galinho de arruda dá muita sorte. Que a minúscula semente de mostarda que traz na carteira não deixa faltar dinheiro. Ele primeiramente ouviu isso com puro ceticismo, mas ela começou a exagerar, disse que passar por cima de tampas de bueiro na rua dá um azar danado, (nessa hora ele teve vontade de rir), mas se conteve, porém quando a moça disse com ar muito sério que alguém passar por debaixo de uma escada o azar é tão grande que a pessoa corre até perigo de morte, ele olhou para a namorada e soltou uma sonora gargalhada. Hoje, Pedro Paulo reconhece que se excedeu, mas ontem não pode refrear- se, de tanto rir chegou a engasgar com o refrigerante que tomava: - Ah Ah! Ah! Jura que você acredita nisso? Pensei que fosse mais racional. Isso é pura superstição! E rindo até não agüentar repetia: - escada, bueiro, você é louca!  A namorada sentiu- se ofendida, pegou a bolsa e ele ouviu a porta da frente bater com força. Correu para alcança- la, mas ela nem olhou para trás, entrou no carro e desapareceu. Ele ligou, mandou mensagens e nada de respostas.  São 9 horas da manhã, o sol escaldante lá fora, dirigindo o carro se apressa para chegar. Pedro Paulo trabalha de despachante e sua mesa está abarrotada de trabalho. Várias vistorias agendadas e ele atrasado. Na sétima esquina freou bruscamente diante de um enorme gato preto que garbosamente atravessa na sua frente. Chegou no escritório e clientes o  aguardam. O dia passou célere, Pedro Paulo se prepara para ir embora, passa das dezoito horas, o sócio e todos os funcionários já foram, quando uma mulher entra pela porta semiaberta. A encara deslumbrado, é realmente uma linda mulher. Solícito pergunta o que ela precisa. – Eu preciso de uma informação para encontrar um advogado. Sorrindo, mostra um pedaço de papel com o nome do causídico. - Não moro aqui e perdi o cartão com endereço. Pedro Paulo diz que não conhece e estranha o fato, pois sabe o nome de todos os advogados da cidade.  A moça bonita insinua que está com fome e indaga se o rapaz conhece algum barzinho. O rapaz cheio de boa intenção, decide acompanhar a mulher que é encantadora e veste um jeans que lhe cai como uma luva. E ele está carente brigou com a namorada e o dia foi estafante, não entregou o serviço para vários clientes, sempre tão eficiente hoje se enrolou. Mas tem certeza que não é por causa do pé esquerdo, nem do gato preto. Pedro Paulo cerra as portas, guarda no bolso a carteira e o celular, pega as chaves do veículo. Resolve conhecer um boteco afastado, ouvira dizer que é um ótimo lugar, com espetos variados. E caso a namorada o perdoe, nesse lugar é improvável que alguém o delate. Assim que chegam pedem um refrigerante. Pedro Paulo sente um puxão brusco no seu braço, é sacudido violentamente e a custo abre os olhos. Assustado ele se depara com três policiais fardados lhe dando uns safanões e mandando que ele se levante. Ele pergunta: - O que está acontecendo? O policial diz para ele que o dono do Boteco precisa fechar e ele está babando em cima da mesa do homem.  O desnorteado rapaz pensa: - Fechar? Que horas são? E olha no relógio, mas está apenas o sinal esbranquiçado no lugar dele. - Cadê meu relógio? Presente caríssimo da minha namorada? Ele se pergunta. Um dos fardados lhe diz: - Ô rapaz, paga o senhor ali e se manda, antes que eu resolva te prender. E pergunta ao comerciante: - Quanto ele lhe deve, senhor? O dono do Boteco responde que ele deve um refrigerante. O policial manda: - Paga ai rapaz! Pedro Paulo põe a mão no bolso, mas cadê a carteira, aliás, cadê o celular além do relógio? Ele fala para os policiais .... 



QUER SABER O FINAL DESTA HISTÓRIA? PEÇA O MEU LIVRO ABANTESMA- CONTOS NATURAIS E SOBRENATURAIS PELO EMAIL

niveaveiga@hotmail.com

                                  E BOA LEITURA!


Nívea  Sabino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Boas Vindas! Abreijus Literários

ASSISTAM - JOSANE PEER - O POETA DO ROCK

Loading...

Total de visualizações de página

PAUSA PARA UM RELAX! Alimente os peixinhos com um click.