мԾndPąℓą۷яąS - єѕ¢яιτσяα Níνєα Sαвιησ - BℓԾG Lιτєяáяισ

domingo, 4 de julho de 2010

UM CASO INTRIGANTE


O dia amanheceu com o sol de sorriso aberto.
Os pássaros com seus cantos sonoros anunciam um dia sem chuva. Fim de semana que chega com prenúncios de bons passeios.
Para a molecada que esperava apenas o aval dos pais para saírem para pescar no Rio das Velhas, os ponteiros do relógio não andavam, corriam.Não era casualmente que podiam sair para um lugar mais distante de casa, mas as mães não se oporiam porque os pais de alguns estariam juntos na aventura daquele sábado ensolarado.

 
Cinco jovens e dois senhores, muita tralha de pesca, barracas para dormir, o brasileirinho arroz com feijão, carne de sol, e guloseimas que a rapaziada aprecia. Tudo conferido, não faltava nada, o refrigerante afundado no gelo e nada de bebidas alcoólicas. Naquela época a juventude não precisava de subterfúgios para se divertir, nem mesmo o cigarro comum era lembrado para ser levado para a beira dos rios.

Todo mundo apertado na camionete antiga, mas o desconforto do passeio, que uns podem chamar de Programa de Índio, não desbotava a alegria e não incomodava a nenhum dos pretensiosos pescadores.

A conversa amena entre eles esquentava às vezes com uns e outros contando historias de pescador, e insinuando ser o melhor do grupo, prometendo pescar os maiores espécimes, o que era caso de muita gargalhada no interior do veículo.

Nessas empreitadas juvenis, sempre há aquele que se destaca como o mais afoito, indo mais a frente, sem preocupar em desviar dos outros, acreditando que não existe perigo, ou mistérios nos lugares desconhecidos.

Foi exatamente por ser assim, que um dos adolescentes viveu os momentos mais estranhos e cabulosos de sua vida. O jovem se afastou do restante do grupo, com o intuito de encontrar um bom lugar para armar o acampamento, sendo mais ágil que os demais não percebeu que pegou um atalho que o separou totalmente dos amigos e do pai.

Foi exatamente no momento que notou que se encontrava só, que vislumbrou a poucos metros à sua frente uma barraca montada, era do tipo que ele não conhecia, parecia ser um modelo bem antigo, totalmente diferente da que ele possuía. Pensou em avançar, mas algo o deteve. Uma mata divisora, o separava da estranha cena que ele veria a seguir.

De dentro da barraca ele vê sair um negro, alto, forte, vestindo uma calça de algodão cru no modelo das usadas pelos escravos em novelas de época, seu dorso estava nu, e pelas feições do homem ele percebe que está nervoso e com muita raiva, pois gesticula e fala, mas o garoto não consegue ouvir nada do que ele diz, apesar da proximidade entre eles.

O moleque sente seu sangue gelar nas veias, pois o homem adentra na barraca e volta imediatamente, trazendo arrastada pelos cabelos uma mulher nua. Não tão negra quanto ele, mas a pele é bem escura.
A mulher se debate e grita, mas o jovem não ouve a sua voz.

O homem tem um facão na mão e sem dó ou piedade golpeia a mulher no pescoço, separando a cabeça do corpo. Imediatamente, esconde o corpo mutilado dentro de um saco, arrasta de volta para dentro da barraca, deixando um rastro de sangue e sinais na terra seca, coberta de poeira. O silencio impera no local. De pernas bambas, o rapaz assiste a cena...




QUER SABER O FINAL DESTA HISTÓRIA? PEÇA MEU LIVRO ABANTESMA CONTOS NATURAIS E SOBRENATURAIS PELO EMAIL:

niveaveiga@hotmail.com
  

Nívea Sabino 04/07/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Boas Vindas! Abreijus Literários

ASSISTAM - JOSANE PEER - O POETA DO ROCK

Loading...

Total de visualizações de página

PAUSA PARA UM RELAX! Alimente os peixinhos com um click.